Todas as reportagens

Outras reportagens de: Exame

- Sem padecer no paraíso
- Nunca nada pra ninguém
- Apertem os cintos
- McDonaldização da economia
- Que horas serão em Srinagar?
- Vale o que vier
- Arte para workaholics
- Equilíbrio para o trabalho
- Como conquistar novos mercados
- Responda, por favor
- Casual complicado
- MBA com Shakespeare
- Separando os trapos
- Pega na superestrada
- Uma ONG para empreendedores
- Para onde foi o subúrbio?
- Para onde vai a fusão?
- Alugam-se maridos
- Antena ligada
- A vantagem de ter um mentor
- Corações partidos em Wall Street
- 100 000 pessoas trabalhando de graça
- Tapete voador
- Milagre no Bronx

Gestão esperta
10.março.1999

Tania Menai

Uma cervejinha, um uisquinho, um vinhozinho de vez em quando não fazem mal a ninguém, certo? Errado. Uma pesquisa feita com 14 000 funcionários de sete grandes empresas americanas mostra que bebedeiras ocasionais causam mais faltas, atrasos e queda de produtividade do que o alcoolismo. Segundo o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIAAA), uma simples ida ao bar após o trabalho, um almoço regado a vinho ou cerveja com clientes ou uma festinha de aniversário são suficientes para afetar a produtividade. Estima-se que os problemas relacionados com o consumo de álcool custem 27 bilhões de dólares anuais às corporações. No ambiente de trabalho, os "bebedores" ocasionais causam cerca de 30% mais problemas como faltas, atrasos e discussões com colegas do que os abstêmios de carteirinha. Quem bebe mais freqüentemente durante a semana de trabalho? Os altos executivos. Segundo o NIAAA, 25% deles não resistem aos aperitivos semanais. Entre funcionários administrativos e de chão-de-fábrica, esse índice cai para 8%. "Essa pesquisa é um alarme", diz Bruce Davidson, gerente de assistência ao empregado da Compaq, um dos maiores fabricantes mundiais de PCs. Nos Estados Unidos, algumas empresas estão tomando iniciativas como eliminar festas de Natal com bebida à vontade.


[ copyright © 2004 by Tania Menai ]

---

voltar