Todas as reportagens

Outras reportagens de: Exame

- Sem padecer no paraíso
- Nunca nada pra ninguém
- Apertem os cintos
- McDonaldização da economia
- Que horas serão em Srinagar?
- Vale o que vier
- Arte para workaholics
- Equilíbrio para o trabalho
- Como conquistar novos mercados
- Responda, por favor
- Casual complicado
- MBA com Shakespeare
- Separando os trapos
- Pega na superestrada
- Uma ONG para empreendedores
- Para onde foi o subúrbio?
- Para onde vai a fusão?
- Alugam-se maridos
- Antena ligada
- A vantagem de ter um mentor
- Corações partidos em Wall Street
- Tapete voador
- Gestão esperta
- Milagre no Bronx

100 000 pessoas trabalhando de graça
03.novembro.1999

Tania Menai, de Nova York

Economia em rede é isso aí, o resto é conversa. O casal de nova-iorquinos Tim e Nina Zagat tem mais de 18 000 pessoas na cidade e 100 000 no mundo fornecendo informações para eles - de graça. Com toda essa ajuda, os Zagat publicam todo ano, desde 1982, o guia de restaurantes mais bem-sucedido de Nova York, que classifica 2 000 dos 15 000 restaurantes da cidade. Só no ano passado, foram vendidas 650 000 cópias (cada uma custa 11,95 dólares).

O trabalho em rede não ajuda só na coleta de dados. O resultado é mais confiável. "É uma democracia gastronômica", disse a revista Time. Os restaurantes são classificados de 0 a 30, segundo preço, decoração, serviço e comida. Cada estabelecimento ganha comentários recheados de adjetivos como "yummy" (delicioso), "ridiculamente lotado", "venha com bastante apetite", "segundo lar", "é mais um cenário do que um restaurante", "lugar de modelos anoréxicas" ou "nem o papa consegue uma mesa, a não ser que conheça o dono". Quer saber o que falam dos brasileiros? O restaurante Cabana Carioca "ultrapassa a bossa nova no tamanho das porções", enquanto o Ipanema oferece uma "carne caseira e drinques assassinos".

Como nasceu essa rede tão eficiente? Tudo começou quando Tim e Nina passaram três anos em Paris, trabalhando na filial de uma grande consultoria de Wall Street (eles são advogados), no final da década de 60. Os dois gastavam todo o dinheiro que ganhavam em restaurantes. Ao voltar para Nova York, passaram a dividir sua paixão pela boa mesa com os amigos. A turma se reunia toda semana para avaliar os restaurantes freqüentados. Em 1979, Tim mimeografou o primeiro resultado das pesquisas, que, segundo ele, eram "mais valiosas que as dos críticos de jornais, pois as opiniões vinham de várias pessoas". Cada amigo recebeu uma cópia e logo, logo 3 000 delas já circulavam pelo prédio do Citibank, em Manhattan. A partir daí, a rede cresceu em progressão geométrica.

O sucesso é tanto que hoje 45 cidades têm seu guia. Só nos Estados Unidos são 27, sem falar nas principais cidades canadenses, e em Londres, Paris e Tóquio. Isso significa 17 000 restaurantes classificados e um exército de 100 000 "zagateers" em todas essas cidades. O escritório de Tim e Nina conta com mais de 100 funcionários, alguns de meio expediente, que ocupam cinco andares de um prédio na Columbus Circle, coração de Manhattan. E é claro que agora eles também estão na Internet (www.zagat.com). Mas o principal são os "zagateers". Eles não ganham nada além de uma cópia do guia no fim do ano - embora a média de lucro anual da empresa seja de 14 milhões de dólares, tendo pulado para 20 milhões em 1998.


[ copyright © 2004 by Tania Menai ]

---

voltar